Você é um Designer Instrucional, um Designer de Games ou Ambos?



Muitos designers instrucionais estão sendo convidados a investigar jogos sérios e assuntos relacionados a gamificação para uso em sua formação e qualificação profissional. O problema? Poucos designers instrucionais tem real experiência em design de jogos ou design de recursos que incidam sobre a criação de jogos que desenvolvam certas habilidades. Soluções baseadas em jogos têm um grande potencial para a aprendizagem. Designers instrucionais são escritores qualificados, pesquisadores e facilitadores (pelo menos deveriam ser, rs…). Eles estão intimamente familiarizados com as teorias de aprendizagem e sabem como aplicar essas teorias em todos os tipos de soluções educacionais.

Em um ambiente corporativo, é o trabalho do designer instrucional que faz a diferença quando o assunto é permitir que os funcionários aprendam melhor maximizando o engajamento e a retenção do conteúdo. Muitos designers instrucionais são altamente qualificados na criação de soluções, tais como cursos de eLearning, webinars, apresentações, sessões acompanhadas por um instrutor , e até mesmo grandes programas de treinamento que necessitam de desenho de recursos mais elaborados. Em cursos de eLearning um designer instrucional pode criar recursos extremamente complexos, com ramificação de cenários e interações imersivas e demais possibilidades….

Quando um DI decide incluir jogos e gamificação, como parte da estratégia de aprendizagem, parece que um ponto de partida natural para ter o designer instrucional é criar um jogo ou atividade interativa. Na verdade essa característica, habilidade, capacidade, competência (ou seja lá o nome que você pretenda dar…) já aparece na gama de atividades que o DI exerce, afinal é o seu trabalho criar conteúdos e recursos de treinamentos … o que parece natural que eles tenham essas habilidades para projetar um jogo sério ou sistema de gamificação baseado na realidade…

Do Game Designer ou Designer de Jogos se requer conhecimentos e experiências que, embora pareçam semelhantes, diferem de algumas competência do designer instrucional. Os designers instrucionais comumente produzem “jogos de eLearning” que são muito simples, talvez até nem sejam realmente jogos uma vez que não estão alinhados com os objetivos de aprendizagem, ou desnecessariamente sejam mais complexos do que o necessário. Estes esforços são um desperdício de tempo e dinheiro e seria ideal que um DI estivesse familiarizado com as competencias do game designer.

Ok. mas e aí? Afinal o DI pode assumir essa função? Ambos são profissionais que podem atuar nas mesmas funções?

Uma vez li em algum artigo que o futuro do Desenho Instrucional está no Design de Jogos. Será? Será que a interação social de aprendizagem pode ser estimulada, única e exclusivamente pelos jogos?

Aqui vão 5 dicas de jogos sérios que os Designers Instrucionais deverão se familiarizar (e urgente!): Se você é um designer instrucional que foi convidado a criar um jogo, ou alguém tentando obter investimento para criação de alguma plataforma de jogos específicos, considere as seguintes dicas:

1. Você tem que jogar para projetá-los:

Se você não gosta de jogar jogos, as chances de você vai criar um jogo que os alunos gostam de jogar são mínimas! Mergulhe jogando vários jogos competitivos e colaborativos com uma variedade de mecânica e de elementos de jogos antes de tentar projetar seu próprio jogo.

2. A meta de aprendizagem:

O objetivo do jogo é de que os jogadores completem os objetivos no jogo. O objetivo da aprendizagem é como um objetivo de aprendizagem em design instrucional: o que os alunos saberão, farão ou acreditarão depois de jogar o seu jogo?

3. Um jogo de aprendizagem deve ser um desafio equilibrado:

Designers de Games novatos muitas vezes criam jogos que são muito fáceis de evitar “frustrações”. O problema? Jogos que são demasiadamente fáceis ou desequilibrados fazem o aluno não levar a sério a proposta e torna o objetivo difícil de ser alcançado 9ma vez que se desistimulam. O oposto acontece quando os designers tentam fazer seus jogos mais interessantes, adicionando complexidade desnecessária. Games designers evitam esses problemas com criações rigorosas de apresentação da interface e com vários testes de jogos.

4. As mecânica de jogo e os elementos dos jogos devem corresponder ao objectivo de aprendizagem (s):

Há uma grande variedade de elementos e recursos que você pode optar por incluir em um jogo de aprendizagem, mas você nunca JAMAIS inclua todos eles em um único jogo. Uma matriz instrucional bem elaborada fornece uma visão geral dos vários elementos e mecânicas do jogo, assim como eles podem ser usados para a aprendizagem.

5. Jogos de aprendizagem devem ser criados com base na ciência de como aprendemos:

Sim!! O entendimento da neurociencia é vital para o Designer Instrucional ou Designer de Games desenhar uma bela instrução pelos games. Você está tentando projetar uma solução que ajuda as pessoas a aprender, certo? Se for o caso, certifique-se o jogo inclui princípios baseados na investigação de aprendizagem, tais como laços de repetição e feedback espaçadas. Designers de jogos de aprendizagem qualificados devem tentar incluir esses princípios de aprendizagem em seu jogo, como parte do projeto inicial. Infelizmente, a concepção de um jogo sério pode se tornar caro e sem as habilidades e experiência adequadas. Se você é novo no design de jogos de aprendizagem, considere o uso das habilidades do designer instrucional e suas ferramentas para projetar instruções sérias e que causem repercussão positiva na aprendizagem do seu aluno.

IDI Instituto de Desenho Instrucional


197 visualizações

Posts recentes

Ver tudo