5 Dicas para Criar eLearning Acessíveis para Alunos com Conectividade Limitada



É cada vez mais comum a necessidade de treinamento para públicos amplamente distribuídos em locais sem acesso de qualidade à internet. Isso poderia incluir qualquer pessoa, desde pesquisadores da Amazônia, agricultores em Uganda, guardas em reservas ambientais, funcionários de um banco da aldeia no Quirguistão ou marinheiros em alto mar. Neste artigo, analisaremos 5 estratégias eficazes para tornar o eLearning mais acessível para alunos com conectividade limitada.

1. Sintonize o áudio

A maneira mais simples de tornar o acesso mais fácil em locais de internet ruim é escolher formatos de mídia que consomem menos largura de banda, como o áudios. Os desenvolvedores do eLearning tendem a se fixar no conteúdo de vídeo e slideshow como os formatos "padrão" para a aprendizagem digital, provavelmente porque é por isso que a maioria das ferramentas de autoria são orientadas, mas considere por um momento quantas pessoas recebem suas novidades e outras informações de podcasts ou ádio.

Em termos de largura de banda, um arquivo de áudio MP3 de alta qualidade é 1/38 do tamanho de um arquivo de vídeo HD com o mesmo tempo de execução. Uma hora de áudio consome tantos dados como dois minutos de vídeo HD.

O áudio oferece muitos benefícios práticos. Ao contrário do vídeo, o áudio pode ser consumido enquanto se faz outras coisas, como trabalhar, deslocar, exercitar ou atender tarefas domésticas. Este é um grande benefício para os alunos que podem não reservar um tempo durante a jornada de trabalho ou horário de aula para completar os cursos.

O áudio também é menos caro para produzir. Não requer habilidades de animação, equipamentos caros ou lidar com configurações de iluminação complicadas. Com um microfone com preços razoáveis, alguns aplicativos de software gratuitos ou baratos e um pouco de prática, mesmo pessoas sem fundo de produção multimídia podem criar conteúdo de áudio de boa qualidade. Além disso, a diferença entre o áudio amador profissional e competente é muito menos flagrante do que com o vídeo.

2. Use Texto

O vídeo pode consumir a maioria da largura de banda da Internet, mas a maioria do conteúdo da internet - desde postagens de mídia social aos memes para artigos de notícias - ainda é apresentado como texto. Isso sugere que a maioria das pessoas não se importa de ler, mas muitos desenvolvedores de eLearning falam sobre conteúdo baseado em texto, como se fosse inerentemente inferior aos formatos multimídia e interativos.

É verdade que alguns alunos podem responder melhor ao vídeo, mas isso dificilmente importa se eles não conseguem transmiti-lo sem problemas ou se um único vídeo de treinamento sopra seu limite de dados móveis. Enquanto isso, os alunos que podem ler rapidamente podem preferir texto ao conteúdo audiovisual, o que leva um tempo fixo para consumir.

O texto também é excelente para a entrega de microlearning de largura de banda através de aplicativos como WhatsApp.

Então, se o seu público estiver confortável, não tenha medo de usar texto e a imagem estática ocasional. Salve elementos interativos para questionar e atividades em vez de transmitir informações básicas. Este conselho pode até se aplicar a situações em que a largura de banda não é um problema.

3. Use mídia física

Um problema comum com a entrega de eLearning para lugares com conectividade limitada na Internet é que as organizações tentam fazer as tecnologias de Internet atuais funcionarem em infra-estrutura de vinte anos de idade. Às vezes, reverter para soluções de 20 anos funciona melhor.

Na era da internet, as pessoas esquecem que ainda é possível enviar dados em mídias físicas, como todos nós voltamos na década de 1990. Onde um arquivo grande pode paralisar uma conexão de internet de baixa largura de banda, não faz diferença se uma unidade USB em um envelope contém um megabyte, um gigabyte ou um terabyte de dados.

Muitas ferramentas de criação de eLearning ainda permitem que os autores exportem módulos para um formato de "CD-ROM" que pode ser facilmente armazenado em USB. As limitações significativas aqui são que este formato geralmente é apenas para computadores, que não é móvel, e os resultados não podem ser informados automaticamente.

4. Estoque em tablets baratos

O desenvolvimento de regiões com banda larga limitada basicamente significa desenvolvimento para o Android, já que a maioria das pessoas nessas áreas não tem computadores tradicionais ou dispositivos iOS. No entanto, isso é mais fácil de dizer do que feito, já que - ao contrário do iOS - nem todas as configurações do Android são as mesmas.

Muitas operadoras de telefonia móvel limitam o que os usuários podem fazer com seus dispositivos Android e, em alguns casos, restringem os recursos principais. Isto é especialmente verdadeiro para modelos de baixo custo com Android de fabricantes como Huawei, Oppo, Vivo e Xiaomi, que são extremamente populares nos países em desenvolvimento. Enquanto isso, o conteúdo de "carga lateral" através de uma conexão USB - enquanto um efetivo - não é tão simples quanto baixar aplicativos e conteúdo de um site ou da Google Play Store.

As organizações que procuram simplicidade e confiabilidade devem considerar a compra de tablets de Android baratos e pré-carregá-los com conteúdo de treinamento.

5. Intranet

Outra solução para problemas de banda larga na Internet é aproveitar a intranet local do seu escritório, o que permite velocidades de transferência superiores a 100mbps entre dispositivos na rede. Nesse cenário, o administrador local baixaria conteúdo uma vez, da internet ou mídia física, redistribuí-lo para os alunos através da intranet.

Um método ainda mais simples para distribuir conteúdo através de uma intranet é tratar a rede como um dispositivo de armazenamento físico gigante. Se os autores da ferramenta de criação um, o conteúdo do curso pode ser armazenado em uma pasta de rede para que os usuários baixem e acessem com um player incorporado ou um aplicativo de player off-line.

IDI Instituto de Desenho Instrucional


0 visualização