7 Teorias Top de Instrução e Modelos para o Seu Próximo Curso Online



Conhecer os princípios fundamentais por trás do Desenho Instrucional pode ajudá-lo a criar experiências de e-learning mais eficazes.

Se você quer ser um especialista no campo do Desenho Instrucional, você deve aprender sobre os princípios por trás do trabalho que você faz é importante em qualquer campo, mas especialmente no Desenho Instrucional. Aprender tudo o que puder sobre Design de Instrução ajudará sua carreira de várias maneiras. Seus clientes apreciarão o seu conhecimento abrangente sobre o campo. Você terá uma compreensão firme de como a mente humana absorve, assimila e retém informações e, assim oferecer experiências de e-Learning mais aproximadas à realidade do aluno. Veja aqui algumas teorias:

1. Teoria da Cognição

A Teoria da Cognição Inicial foi publicado pela primeira vez em 1989, mas seus princípios ainda são válidos até hoje. Essencialmente, a teoria é baseada no conceito de que você não pode separar o conhecimento da prática, do fazer, do colocar a mão na massa por assim dizer. Também enfatiza a importância de as pessoas aplicarem as coisas que aprendem dentro de um contexto claro e bem definido. Além disso estipula que o aprendizado é um empreendimento social que dá às pessoas a oportunidade de expandir seus conhecimentos através de discussões e tarefas de resolução de problemas grupais.

2. Teoria da Aprendizagem Sociocultural

O trabalho original detalhando a Teoria da Aprendizagem Sociocultural foi escrito no início da década de 1930. Devido à turbulência política sob Stalin e problemas de tradução, demorou muito para que ele fosse amplamente reconhecido. A teoria gira em torno de três elementos críticos: a cultura, a linguagem e a zona de desenvolvimento proximal. Isso sugere que nosso ambiente desempenha um papel crucial no desenvolvimento de um aluno. Por exemplo, colegas e amigos têm o poder de influenciar a forma como um aluno pensa ou sente sobre um determinado assunto (muito trabalhado no desenho de cursos persuasivos).

3. O modelo ADDIE

Processo de análisar, projetar, desenvolver, implementar e avaliar projetos de cursos e treinamentos. O modelo ADDIE foi projetado pela primeira vez em 1975 pelo Exército dos EUA pelo Centro de Tecnologia Educacional da Universidade Estadual da Flórida. É composto pelos cinco fatores listados acima, o que ajuda os profissionais do Desenho instrucional a lidar com os projetos de e-Learning em etapas. ADDIE aborda o desenvolvimento e-Learning ao invés de aprender comportamentos. Permite aos designers de instrução aprofundar as necessidades, os objetivos de aprendizagem e os resultados desejados, de modo a criar recursos de e-Learning mais personalizados.

4. Princípios de Instrução de Merrill (Baseada em Problemas e Tarefas)

A teoria de Merill baseia-se nas diferentes maneiras pelas quais a aprendizagem pode ser facilitada. Cada fase do processo de aprendizagem tem um papel importante a desempenhar. Há quatro fases principais de aprendizagem: demonstração, ativação de conhecimento prévio (reconhecer a base de conhecimento prévio apresentado pelo aluno antes de criar nova instrução), aplicação, integração em desafios do mundo real. A abordagem é centrada na tarefa. Esta teoria também envolve "nivelamentos", pelo qual os alunos são gradualmente introduzidos em ideias e conceitos mais complexos à medida que a lição avança.

5. Instrução individualizada

Como o nome indica, a Teoria da Instrução Individualizada gira em torno do indivíduo e como eles aprendem. Se você está aprendendo algo e pega rapidamente, você pode continuar. No entanto, se você não está se conectando com o material, a teoria permite que você vá no seu próprio ritmo. Também é responsável por alunos que respondem melhor a diferentes preferências de aprendizagem. Existem unidades de instrução individualizadas que podem ser divididas em 4 princípios fundamentais:

- Os alunos devem ser capazes de completar o trabalho de forma autônoma. Como resultado, eles têm a oportunidade de se concentrar em seus próprios pontos fortes e áreas de melhoria.

- Cada lição deve ser seguida por uma avaliação para avaliar o progresso do aluno.

- Os materiais de aprendizagem escritos são preferidos sobre as apresentações.

-Os facilitadores apoiam os alunos e adicionam um nível de interatividade social à experiência.

6. Taxonomia dos Objetivos de Aprendizagem da Bloom

Esta teoria bem conhecida foi desenvolvida pela primeira vez na década de 1950. Enquanto algumas teorias contemporâneas se concentraram na memorização pura dos fatos, a Bloom se concentrou no domínio cognitivo. Esta parte da teoria subiu uma hierarquia de processos começando no mais básico. Esses processos específicos incluem: lembrança, compreensão, aplicação, análise, avaliação e criação. O comitê que foi supervisionado pela Bloom também estipulou que existem 3 domínios essenciais a serem considerados: cognitivo, afetivo e psicomotor.

7. O Modelo SAM

Este modelo de Design de Instrução permite que o Designer Instrucional faça alterações executando pequenas etapas e várias iterações. Você começa com a fase de preparação curta, onde as informações sobre o projeto e-Learning são reunidas. Em seguida, você se move para o Projeto Iterativo e Desenvolvimento Iterativo, onde o design é criado e revisado. Este processo permite projetos mais flexíveis com mudanças rápidas à medida que o projeto e-Learning avança.

Como encontrar a teoria de desenho instrucional correta para o design de seu curso online?

Idealmente, a teoria do Desenho Instrucional diz que você deve analisar o público, mapear recursos e alinhá-los com as necessidades de seus alunos ao mesmo tempo que deve atender os objetivos de aprendizagem do cliente. Parece simples mas não é! Tudo começa com a escolha certa da teoria que vai basear o seu projeto como um todo. O assunto (conteúdo) a ser trabalhado também desempenha um papel fundamental no processo. Por exemplo, um projeto de e-Learning corporativo que exige treinamento baseado em problemas pode exigir os Princípios de Instrução da Merrill. A instrução individualizada, por outro lado, é excelente para caminhos de aprendizagem personalizados que dependem de estudos auto-estimados. A chave é identificar as expectativas e necessidades do seu cliente de antemão para que você possa restringir a lista de possíveis teorias do projeto instrucional e, em seguida, determinar qual é o suporte aos comportamentos de aprendizagem e aos resultados desejados.

Quando os clientes fazem perguntas ou precisam de orientação, você poderá apoiar suas recomendações, citando teorias de Design de Instrução específicas. Além disso, você desenvolverá melhores produtos de trabalho utilizando as teorias que você aprendeu. Embora você não seja capaz de implementar todas as teorias do Projeto de Instrução em todo tipo de projeto, você pode “usar” peças de cada uma delas. Qualifique-se o máximo que puder agora pois certamente vai ajudar a sua carreira de de Designer Instrucional.

IDI – Instituto de Desenho Instrucional


83 visualizações