Você Deve Substituir o Formato Analógico de Aprendizagem para o Digital?



A tecnologia tornou-se arraigada em nossa cultura. As crianças que crescem hoje (ou seja, nascidas depois de 2010) são denominadas Geração Alpha, e elas já são adaptadas com a tecnologia. Não conseguem conceber a idéia de uma mundo analógico.

Como tal, o e-Learning têm visto um crescimento fenomenal nos últimos dois anos mas, ainda assim, como mencionado acima, ainda há uma porcentagem de pessoas perpetuando a "fração digital", especialmente no ensino superior. Veja um exemplo de uma pesquisa informal realizada em uma grande universidade:

  • Apenas 27% dos professores pesquisados ​​acreditam que os materiais digitais "têm um impacto benéfico na aprendizagem dos alunos em comparação com o material impresso".

  • Apenas 35% sentem que "os materiais do curso digital proporcionam uma experiência de aprendizagem mais rica e eficaz do que a impressão".

  • Apenas 44% dos professores concordaram com a afirmação de que "os alunos preferem materiais de cursos digitais impressos".

  • Os resultados também mostraram que "97% dos professores escolheram os materiais do curso com base em suas percepções pessoais em relação a qualquer outro fator", e que "a impressão ganha consistentemente sobre o digital, apesar de 79% admitir que os materiais digitais são menos onerosos para seus alunos".

Esta divisão digital é justificada? É possível que ainda haja mérito na aprendizagem impressa sobre o formato e-Learning e outras soluções digitais para a pedagogia?

Múltiplos estudos mostraram recentemente que a aprendizagem impressa é mais eficaz do que a aprendizagem associada às telas digitais. Quando se trata de ler informações que abranjam mais de uma tela, isso pode ser atribuído ao "efeito disruptivo" que a rolagem tem na compreensão de leitura.

Para explorar melhor esse fenômeno, duas pesquisadoras americanas Patricia A. Alexander e Lauren M. Singer realizaram três estudos que "exploraram a capacidade dos estudantes universitários de compreender informações em papel e em telas". Eles relataram achados importantes em um artigo com Business Insider:

  • Os estudantes preferiram principalmente ler digitalmente.

  • A leitura foi significativamente mais rápida do que feita em meio impresso.

  • Os alunos avaliaram sua compreensão geral como melhor no formato online do que no formato impresso.

  • Paradoxalmente, a compreensão de assuntos específicos foi melhor para impressão versus leitura digital.

Ficou evidente que o meio não era importante para questões gerais (como entender a idéia principal do texto). Mas quando se tratava de questões específicas, a compreensão era significativamente melhor quando os participantes liam os textos impressos.

Então, o que Alexander e Singer descobriram era que, na essência, não havia uma abordagem "um meio se encaixa". Às vezes, os alunos possuem uma compreensão mais profunda quando lêem impressos, mas também descobriu-se que, quando um grupo seleto de estudantes universitários passava da aprendizagem via meio impresso para para o aprendizado digital, eles compreenderam melhor o contexto e a perspectiva geral do assunto proposto. Assim sendo, Alexander e Singer admitem que não devemos nos ater exclusivamente ao aprendizado tecnológico digital, mas usar o recursos e formato certos para objetivos certos.

Mas também não podemos simplesmente nos esquecer de que os nativos digitais de hoje moldam as experiências de aprendizagem e que há custos e conseqüências significativas para uso do impresso no aprendizado e desenvolvimento acadêmico.

E-Learning, Fluência Digital e Emprego do Futuro

Ao pesar o e-Learning versus o aprendizado impresso, é importante levar em consideração os dois lados do argumento. Não só a tecnologia nos permitiu trabalhar de maneiras diferentes, mas nos permite encontrar o trabalho de maneiras diferentes - na verdade, a alfabetização digital está ligada quase diretamente ao processo pelo qual as pessoas se desenvolvem para o mercado de trabalho hoje em dia. Especialistas dizem: "Hoje em dia, graças à tecnologia, você não precisa sair de sua casa para procurar um novo emprego. Tudo o que você precisa para conquistar uma nova carreira é um dispositivo digital que tem acesso para a internet ".

Na verdade, sem acesso à internet ou os fundamentos da alfabetização digital, muitos não poderiam encontrar um emprego, ou muito menos manter um. Esta mesma fluidez digital pode ser ensinada através de práticas de e-Learning, como se aponta em pesquisas: "usar o eLearning para promover uma nova alfabetização", mas mesmo antes de novas contratações atingirem em massa a esfera corporativa, é importante que tenham tido experiências digitais ligadas à aprendizagem.

Embora costumasse ser considerado prejudicial não ter todos os seus alunos e instrutores em uma sala, hoje em dia, aprender a navegar no aprendizado é fundamental para ajudar os funcionários a se preparar para um mundo de tecnologia vinculado ao trabalho remoto.

"O trabalho remoto oferece vários benefícios - tanto para o negócio como para o meio ambiente", inclusive existe um debate entre colaboradores sobre o porque ir presencialmente até um escritório quando podem ter mais tempo para dedicar às suas atividades do trabalho de forma remota. Sentem que podem ser mais focados e eficientes no trabalho quando estão trabalhando em casa. A tecnologia tornou simples a troca e conversa com colegas em todo o mundo, os próprios recursos digitais como microlearning possibilitam o aprendizado contínuo enquanto esses colaboradores estão em campo .

A verdade do assunto é que há benefícios distintos no uso do e-Learning para preparar os alunos para os trabalhos do futuro. No entanto, não precisamos fazer disso uma corrida insana para mudar o papel analógico para o digital, mas ainda assim começar a pensar modelos e formas de usá-los de forma cada vez mais frequentes, uma vez que, a nova geração Alpha está avançando rumo ao mercado de trabalho.

IDI – Instituto de Desenho Instrucional


0 visualização