A Anatomia do Design Instrucional



Diga, mostre, faça, aplique: a anatomia da boa instrução

Há muitas opiniões sobre como elaborar instruções de qualidade. Novas tecnologias, teorias e processos são continuamente criados e promovidos como a melhor coisa a seguir para designers instrucionais. E, embora essas novas tecnologias possam ser poderosas, existem algumas estratégias de instrução chave que devem ser implementadas para maximizar a eficácia da aprendizagem.

A Anatomia da Boa Instrução

Esses princípios têm consistentemente demonstrado aumentar o aprendizado e o engajamento, mas, muitas vezes, os designers educacionais ficam apaixonados pelas novas tecnologias e não conseguem implementar essas estratégias de forma eficaz.

Neste post, descreveremos essas estratégias e mostraremos como você pode usá-las efetivamente no seu projeto.

Podemos categorizar todas as atividades de instrução em duas categorias básicas:

  • Coisas que a Instrução ou Instrutor faz

  • Coisas que o Aprendiz faz.

Dentro dessas categorias, existem quatro estratégias básicas para criar excelentes instruções: diga, mostre, faça e aplique.

As quatro estratégias básicas para criar uma excelente instrução:

Contar

O primeiro componente da boa instrução é a estratégia Tell. Esta é a estratégia utilizada para fornecer ao aluno informações fundamentais relacionadas à sua aprendizagem. Fatos, conceitos, regras e procedimentos podem ser transmitidos usando a estratégia Tell. Por exemplo, se você estivesse projetando instruções para ensinar aos representantes do serviço ao cliente como oferecer um novo produto aos seus clientes existentes, você lhes daria as etapas específicas que eles passarão para oferecer o produto e até mesmo mostrar um esboço visual das etapas.

exposição

Mostrar

O segundo componente da boa instrução é a estratégia Show. Esta é a estratégia utilizada para demonstrar exemplos do que você quer ensinar. No exemplo do serviço ao cliente, você mostraria uma variedade de exemplos reais de um agente que oferece o produto ao aluno. Você provavelmente também mostrará "não exemplos" - exemplos do que não fazer ao oferecer os produtos. Esses exemplos ajudarão o aluno a ver como as informações que você contou foram aplicadas.

Fazer

Depois de fornecer uma variedade de exemplos, você deve fornecer aos seus alunos a oportunidade de fazer o que você ensinou. No exemplo do serviço ao cliente, os alunos recebem várias chamadas com clientes reais e oferecem-lhes o produto. Treinadores e gerentes ouvem essas chamadas e fornecem feedback e orientação aos alunos. É importante que os alunos recebam muitos comentários quando aplicam o que aprenderam para que possam melhorar suas habilidades e habilidades. Como neste exemplo, a aplicação do novo conhecimento deve replicar o ambiente do mundo real tanto quanto possível para tornar a experiência de aprendizagem autêntica e envolvente.

Aplicar

O componente final é Aplicar. Nesta etapa, os alunos planejam como eles aplicarão seu conhecimento em seus próprios ambientes. No exemplo do serviço ao cliente, os alunos planejam seus próprios scripts personalizados para situações específicas e definem metas para oferecer e vender produtos para seus clientes.

Essas estratégias básicas se alinham com várias teorias de instrução conhecidas. Por exemplo, eles suportam os Primeiros Princípios de Instrução da Merrill, uma conhecida teoria da instrução que se baseia em pesquisas extensas. Os 9 Eventos de Instrução da Gagne também se alinham bem com essas estratégias.

Na próxima vez que você projetar uma peça instrucional, um manual, um material de treinamento, pergunte-se o quão bem você está usando essas estratégias. Se você o aplicar conscientemente, você encontrará maior aprendizado do aluno e eficácia do design instrucional.

IDI – Instituto de Desenho Instrucional

Fonte: https://elearningindustry.com


0 visualização