O Que Faz uma Boa Explicação Instrucional?



As explicações são uma parte importante da instrução e da aprendizagem. Podemos definir explicação como “os detalhes ou outras informações que alguém dá para tornar algo claro ou fácil de entender”. Os pesquisadores diferenciam entre explicações genéricas e explicações instrucionais. Estes últimos acontecem em um contexto educacional e são destinados ao propósito de ensinar.

Na melhor das hipóteses, explicações instrucionais integram novas informações com conhecimento prévio. Eles também ajudam as pessoas a fazer generalizações adequadas que consolidam o conhecimento em princípios e teorias.

Durante os primeiros estágios do aprendizado, usamos explicações para introduzir novos conceitos. Na fase intermediária da aprendizagem, as explicações ajudam a corrigir equívocos, reestruturando o conhecimento do aluno. Estes são conhecidos como revisão de explicações instrucionais. A fim de obter níveis mais altos de maestria, no entanto, a prática se torna uma estratégia instrucional mais crítica e as explicações são subordinadas em importância.

O que pode dar errado com explicações?

Embora as explicações sejam comumente usadas na instrução, a pesquisa mostra que elas geralmente não têm efeitos positivos nos resultados da aprendizagem. Duas razões para sua ineficácia são:

- as explicações não são apresentadas de forma a esclarecer mal-entendidos específicos, e

- as explicações não estão integradas em atividades de aprendizagem úteis.

Podemos gerar melhores explicações que melhoram a compreensão e contribuem para a aprendizagem. Aqui está algumas dicas:

Faça as explicações adaptáveis

Para gerar uma explicação instrucional efetiva, comece com o público, e não com o conteúdo. Parte da compreensão do público inclui a compreensão de seu conhecimento prévio e seus modelos mentais. Isso pode ajudá-lo a corrigir mal-entendidos comuns e fechar lacunas de informações.

No eLearning, exercícios interativos e perguntas podem apontar para lacunas no conhecimento que podem ser corrigidas através de respostas sensíveis ao contexto, atividades corretivas ou consequências em um cenário. Você também pode permitir que os alunos solicitem ajuda adicional. Talvez eles possam selecionar frases que são confusas ou selecionar termos que precisam ser definidos. O objetivo é ajudar os alunos a construir uma estrutura mental coerente da informação.

Apontar as falhas no entendimento

Outra estratégia, chamada de explicação explícita, demonstrou melhorar a retenção e a transferência. Nesta abordagem, você declara qual é a lacuna ou equívoco específico da pessoa antes de dar uma explicação revisada. Essencialmente, a explicação marcada serve como uma mensagem de aviso que mostra a falha no pensamento da pessoa e orienta a atenção para a explicação corrigida.

Uma explicação marcante como feedback em um exemplo de atendimento ao cliente pode ser: “Você vê que existem várias boas técnicas para lidar com um cliente irado, no entanto, o que você não notou foi que a pessoa também estava chateada porque ela era uma cliente fiel. dez anos. Nesse caso, você deve estar gerenciando a chamada como mostrado abaixo.” O texto em negrito aponta a falha no pensamento ou nas ações da pessoa e guia o aluno para a abordagem correta.

Ativar o processamento ativo

Encontre uma maneira de o aluno ser ativo e envolvido enquanto ele ou ela processa uma explicação. A aprendizagem passiva, como apenas ler ou ouvir uma explicação, não promove uma compreensão profunda. Se você fornecer maneiras para o aluno usar a explicação em uma tarefa, isso possibilitará processamento adicional. Algumas maneiras de envolver os alunos estão listadas abaixo.

- Use a explicação para resolver um problema.

- Peça aos alunos que determinem a justificativa para uma explicação.

- Suspenda algumas das explicações e peça aos alunos que deduzam as informações retidas.

Promover uma estratégia de auto-explicação

Auto-explicação é uma abordagem ao processamento ativo que requer que os alunos expliquem novos conceitos para si mesmos. Essas auto-explicações diferem das explicações que alguém forneceria aos outros, porque são informais e podem ser incompletas e fragmentadas. Auto-explicações ajudam as pessoas a resolver seus mal-entendidos.

Em um ambiente de eLearning, os alunos podem ser solicitados a explicar algo a si mesmos ou podem digitar sua própria explicação em um campo de texto e visualizá-lo mais tarde, talvez com o objetivo de revisar a explicação à medida que adquirem mais prática. Essa abordagem requer um certo nível de metacognição para os alunos monitorarem e revisarem seus equívocos.

Um estudo examinou os efeitos da auto-explicação no raciocínio diagnóstico dos estudantes de medicina. Estudantes de medicina diagnosticaram um conjunto de casos clínicos, incluindo quatro casos em um tópico menos familiar e quatro em um tópico mais familiar. Alguns participantes geraram auto-explicações e outros não. Os pesquisadores descobriram que as auto-explicações tiveram um efeito positivo na aprendizagem quando o tópico era complexo e menos familiar para o aluno. Quando o assunto era familiar, a auto-explicação não mostrava nenhum benefício positivo. Além disso, eles descobriram que os benefícios das auto-explicações são reforçados quando combinados com a escuta de outros exemplos de auto-explicação.

IDI Instituto de Desenho Instrucional

#explicaçãoinstrucional #aprendizagem

166 visualizações