Escrevendo Objetivos de Aprendizagem: Parte 2 - Objetivos de Aprendizagem Mensuráveis



A parte 1 desta série abordou como escrever objetivos de aprendizado em três partes. A parte 2 se concentra em tornar mensuráveis ​​seus objetivos de aprendizado.

O que é mensurável?

Objetivos de aprendizagem mensuráveis ​​são muito específicos e fornecem uma maneira de os designers determinarem se os membros da audiência podem demonstrar o que aprenderam. Objetivos de aprendizagem mensuráveis ​​descrevem habilidades observáveis. Eles são quantificáveis. Você pode escrever uma pergunta de teste ou assistir a alguém realizar um objetivo de aprendizado mensurável. Por exemplo, veja o objetivo de aprendizado em três partes abaixo.

"Dado um um dia chuvoso sem internet, registre com sucesso uma ordem de serviço no sistema offline."

Neste objetivo, a frase registrar com sucesso uma ordem de serviço é um evento observável. É mensurável - ou alguém demonstrou essa habilidade super humana ou não. Esta habilidade não pode ser demonstrada de qualquer outra forma.

Verbos de ação são bons

A maneira de garantir que um objetivo de aprendizagem seja mensurável é usar um verbo de ação ao descrever o comportamento do terminal. Como não conseguimos enxergar o cérebro do aluno, o objetivo é encontrar verbos que representem aprendizagem ou uma mudança na capacidade cognitiva. Os tipos de palavras que os designers instrucionais podem incluir: identificar, reconhecer, definir, selecionar, classificar, selecionar, resumir, demonstrar, resolver, ilustrar, delinear, contrastar, criar e projetar. Você pode imaginar alguém fazendo essas coisas.

Taxonomia de Bloom e versões revisadas

Não podemos deixar de mencionar a taxonomia de Bloom. Quando você estiver pensando nos verbos de ação, Benjamin Bloom, o psicólogo educacional, virá em seu socorro. Na década de 1950, ele e suas pares classificaram a aprendizagem em três domínios: cognitivo (conhecimento), psicomotor (habilidades) e afetivo (atitude). Eles então subdividiram as categorias cognitiva e afetiva em comportamentos que vão do simples ao complexo. Por exemplo, a categoria cognitiva consiste nessas habilidades cada vez mais complexas: conhecimento (recordação), compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação. Para cada um desses comportamentos, eles compilaram verbos de ação que funcionariam para demonstrar a habilidade.

Essa abordagem não apenas é fascinante do ponto de vista da cognição e vale o tempo e o esforço para estudar, mas também é uma ótima maneira de sair do impasse objetivo de aprendizagem.

Existem versões mais recentes e que considero melhores da taxonomia original. Por exemplo, na revisão de Anderson e Krathwohl, as quatro categorias incluem: diferentes tipos e níveis de conhecimento - factual, conceitual, processual e metacognitivo. Há também uma taxonomia atualizada para aprendizado digital. Então, mãos–à-obra e vamos pesquisar e aplicar indicações de design instrucional.

IDI Instituto de Desenho Instrucional

#objetivosdeaprendizagem #objetivos

59 visualizações