Experiência de Aprendizagem e o xAPI: Histórico de Aprendizado Pessoal


"E se o seu aprendizado digital pudesse se adaptar, ajustar, ler e avaliar as necessidades de cada um dos seus "alunos digitais", em seguida, oferecer um curso personalizado específico para cada um deles com base em seu histórico pessoal de aprendizado?"


Quão legal seria se pudéssemos criar uma experiência de aprendizado personalizada para cada aluno que faz nossos cursos? Aprendizado personalizado? O que é isso? Desculpe, mas se um Designer Instrucional perguntar ao cliente o que é aprendizagem personalizada vai dar a entender que não entende absolutamente nada sobre sua profissão no século em que vivemos.


O que quero dizer com aprendizado personalizado?


Imagine, se quiser, que estamos juntos em uma sala de aula. Eu sou o professor e você é o aluno. Você veio à minha turma para aprender como usar um determinado programa de software. Antes da aula, você decidiu revisar alguns tutoriais e documentos que o ajudariam a se sentir pronto para mergulhar direto no conteúdo. Mas outros na classe fizeram coisas diferentes para se preparar, e alguns não se prepararam de modo algum; portanto, cada pessoa está em um nível diferente.

Como professor, preparei uma lição, mas queria ter certeza de que estaria pronto para qualquer tipo de pergunta que pudesse surgir. Então, eu quase me preparei demais para ter certeza de que conhecia bastante a ferramenta e estava pronta para responder a qualquer pergunta sobre o software. Organizei um plano com base em onde achava que a aula iria, mas também me preparei para outras situações que poderiam acontecer. Portanto, como professor, sou capaz de adaptar e ajustar minha lição, dependendo das necessidades dos alunos e das perguntas que possam surgir enquanto eu estiver dando aula. Mas suponha que, durante a aula, você tenha perguntas diferentes do que eu havia planejado.


Agora, posso tirar suas dúvidas e responder de duas maneiras diferentes. Posso ignorar suas perguntas e continuar com meu plano, ou posso mudar meu plano e passar algum tempo ajudando você a entender alguns dos princípios básicos e a adaptar o restante do conteúdo conforme eu for.


Se eu sou um bom professor, vou escolher a segunda opção. Eu veria as necessidades dos alunos ou identificaria suas lacunas de conhecimento e, em seguida, faria o possível para ajudar a preencher essas lacunas de conhecimento. Dessa forma, quando eu voltar ao cronograma, tudo será mais ignorar essas lacunas de conhecimento e apenas empurrar o conteúdo que eu preparei.


Na maioria das vezes, como "professores digitais", tendemos a apenas empurrar nosso conteúdo como solução, um curso "tamanho único", ignorando onde os usuários possam estar em seu conhecimento atual. Pessoalmente, sou capaz de adaptar, alterar, ajustar, ler e avaliar as necessidades do aluno em tempo real e mudar minha abordagem com base no que aprendi sobre cada aluno. Por isso, posso personalizar meus ensinamentos para ajudar melhor todos os alunos.


Então, como fazemos isso digitalmente? Como adaptamos, ajustamos, lemos e avaliamos as necessidades de nossos alunos digitais para criar uma experiência personalizada em formato digital? Essa foi uma indagação que um aluno me fez em 2018 no grupo de DI que promovemos no Instituto.


As ferramentas mais atuais de eLearning permitem apenas que você forneça conteúdo, criando uma apresentação sem realmente permitir a personalização e personalização de que os usuários precisam. Sim, sei que alguns permitem que você colete o nome do usuário e depois o conecte o curso. Esse é um bom começo, mas estou falando em criar um curso completamente diferente para cada usuário.


Conhecendo o usuário


Então, como contornar isso? Temos que parar de ensinar digitalmente e voltar para os cursos presenciais? Não, claro que não. Como criamos um aprendizado digital que pode se adaptar, ajustar, processar e avaliar as necessidades de nossos alunos? Como criamos um treinamento que pode conhecer os usuários, identificar suas lacunas de conhecimento, descobrir o que eles fizeram e o que não fizeram e, em seguida, oferecer instantaneamente um curso digital personalizado que melhor se adapte às suas necessidades?


Uma solução pode ser tão simples quanto adicionar "perguntas de conhecimento" no início de um curso. As respostas permitiriam criar lógica em tempo real para o curso: quais seções servir e quais não entregar. Você pode até modificar o conteúdo com base nas respostas do usuário. Em vez de apenas pedir aos possíveis clientes que cliquem em um botão e assistam a um vídeo de demonstração de vendas único, a tecnologia primeiro faz perguntas ao indivíduo.


Sabendo o que a pessoa já sabe e o que não sabe, quais são suas necessidades e quais recursos são do seu interesse, o aplicativo cria uma demonstração de vendas personalizada para cada cliente em potencial. Esta demonstração mostra seções mais longas do vídeo que segmentam o interesse do cliente potencial e snippets de vídeo mais curtos para recursos que o cliente potencial preocupa menos.


Meu Deus! Você pode imaginar fazer isso para aprender? E se você reunisse algumas informações do usuário antes de um curso para configurar a lógica e então adaptou programaticamente o curso para o usuário? Não é tão personalizado quanto uma discussão individual, mas se aproxima mais do que a aprendizagem estática do tamanho único.


Saber escrever algum código básico pode fazer isso. Você pode solicitar perguntas aos usuários, armazenar suas respostas em algumas variáveis ​​e, em seguida, programá-los por caminhos diferentes com base nessas respostas.


O xAPI - histórico de aprendizado pessoal


Ouvimos falar da xAPI (API da experiência) há anos. Sim o Designer Instrucional precisa conhecer um pouco sobre linguagem de programação e as tais xAPI’s pois é com esse conhecimento que você vai argumentar com o seu cliente se é possível integrar sistemas ou plugins em seus LMS (ambientes virtuais de aprendizagem) ou LXP’s (ambientes de experiência de aprendizagem).


Sabemos que ele permite rastrear dados de qualquer local e que podemos obter dados mais detalhados do que jamais pudemos com o SCORM.


Com o xAPI, podemos montar o que é chamado de "declarações". Isso nos permite acompanhar várias atividades de aprendizado. Essa afirmação possui três elementos importantes: o ator (quem é: aluno X), o verbo (a ação: assistiu) e o objeto (nome da coisa em que o ator agiu: assistiu a webconferencia de ferramentas de autoria).


O envio dessas declarações nos permite começar a rastrear o histórico de aprendizado. Toda vez que enviamos uma declaração, esse evento agora é armazenado em um LRS (sistema de armazenamento de registros de aprendizagem), o que nos dá maiores insights sobre o que nossos alunos estão fazendo e o desempenho de nosso conteúdo.


Mas provavelmente a parte mais fascinante é que ela também nos dá a capacidade de acessar programaticamente o LRS e, em tempo real, ver o que um aluno fez e o que não fez e usar esses dados da maneira que for necessário.


Podemos criar um curso personalizado que primeiro entre no LRS e faça a pergunta: "O que o aluno já aprendeu ou experimentou?" Com as informações que o LRS nos fornece, podemos adaptar, alterar, ajustar, ler e avaliar as necessidades do aluno e oferecer um curso diferente com base em seu histórico de aprendizado pessoal.


Agora não precisamos mais fazer perguntas aos usuários ou pedir que eles preencham alguma coisa primeiro - o curso pode obter as informações automaticamente e, de fato, teria mais dados para trabalhar do que poderia obter de um formulário. Isso é trabalhar com a real I.A (Inteligência Artificial).


Faça alguns testes iniciais desse conceito, explore o uso do xAPI em mais profundidade. Isso exige a criação de cursos de uma maneira diferente e a tornar-se mais centrado no usuário. Isso força o pensamento a ultrapassar a página estática.


Exige que você crie cursos que possam ser muito mais flexíveis e adaptados com base nos dados do usuário.


Isso pode parecer difícil mas essa abordagem nos força na direção certa. É o caminho que precisamos seguir se quisermos continuar trilhando essa profissão de Designer Instrucional ou futuramente chamado Designer de Experiência de Aprendizagem.


Gostou? Então acesse aqui o e-book Designer Instrucional - Como Começar a Atuar e acesse essa e outras dicas que vão ajudar você a reconhecer a terminologias do ramo e as dicas para entrar nessa profissão.


IDI - Instituto de Desenho Instrucional


#desenhoinstrucional #designinstrucional #desenhoeducacional #ead #elearning #cursosonline #treinamentosonline #treinamento #desenvolvimento #conteudosead #experienciasdeaprendizagem #rh #dho #EducaçãoCorporativa #Aprendizagem #GestãoDePessoas #UserExperience #GestãoDoConhecimento #professor #professora #professores #professoras

0 visualização