Neurociências e Gatilhos Cerebrais na EaD


Você, Designer Instrucional, já imaginou se pudesse desenhar uma instrução que auxiliasse o seu aluno a obter um poder de aprender mais rápido? Parece impossível? Não se você conhece um pouco de cognição para impulsionar o desempenho do cérebro. Sua mente subconsciente é mais esperta do que você possa imaginar. Ela toma a maioria de suas decisões sem a permissão de sua mente consciente. É a parte de ação mais rápida do seu cérebro.


No entanto, a maioria dos cursos envolvem a parte mais lenta de atuação do cérebro – o neocórtex, sede da lógica e raciocínio. Como você acessa e ativa o subconsciente em um curso online? Para descobrir isso, vamos primeiro olhar para a estrutura do cérebro. Sua “cuca” possui três cérebros que tomam as decisões mais subconscientes, com é o caso do cérebro inferior.


O cérebro superior, onde podemos dizer que se localizam nossas capacidades de intuir e sermos espertos, é o neocórtex. Funciona como um supercomputador. Este é o lugar onde exercemos as nossas tarefas lógicas e de raciocínio. (1 + 2 = 2; Se a condição de X, então vai resultar em Y…) Um pouco mais abaixo e longe no crânio é o sistema límbico, que processa emoções. (Ohhhh, que filhote de cachorro fofo!) Mas é o cérebro na parte inferior – o tal cérebro reptiliano – que é responsável pela ação mais rápida e mais ativa dos três cérebros.


O problema é que ele não pensa nem processa informações: é o cérebro do impulso e da pronta resposta quando ocorre algum problema. Ele apenas reage. Exemplo: Uma Cobra!!! Aiii!! É nesta parte reacionária do cérebro onde a maioria das decisões subconscientes acontecem. O problema é: essa parte do cérebro responsável pelas metas poderosas tais como: encontrar comida, ficar seguro, correr, lutar etc… reage ao desencadeamento das informações do ambiente e é à partir dele que percebe-se como se quer avançar ou dificultar determinadas metas.


O truque consiste em fornecer esses gatilhos que ajudam o seu subconsciente saltar em ação e ir para alerta máximo. Neste estado de alerta, o cérebro reptiliano vai processar a informação mais rapidamente e fazer com que o aluno dê um maior grau de importância para o conteúdo resultando num método de aprendizado mais rápido. Desta forma seguem 5 “gatilhos” cerebrais que podem ajudar os seus alunos a aprenderem mais rápido, ativando o subconsciente.


1. Comece com um gatilho emocional.

Comece o seu curso online com um gatilho emocional para ativar o subconsciente. Quero dizer: essa informação é a primeira coisa na página do curso que o aluno vai olhar. Antes de um título, antes da marca da empresa, antes de qualquer coisa! Comece com uma página de título ou um podcast ou um micro vídeo que aborda algo que chame atenção do aluno. Nós somos criaturas emocionais e para o subconsciente “comprar” verdadeiramente um objetivo – para realmente querer isso – você tem que criar uma ligação emocional com o resultado do curso - nos primeiros seis segundos de atenção da tela! O gatilho emocional mais eficaz é inserir o aluno em uma situação comum que mostre a ele como a frustração, o medo, a dor ou a perda são causadas. Por exemplo, se o seu curso é para ensinar os alunos a usar um novo software de controle de despesas, você pode começar com um breve cenário mostrando o aluno desesperado procurando recibos de despesas de uma viagem de negócios, ou tendo aquele incômodo de manter o controle de recebimentos, ou a dor de ter um pedido de reembolso de despesas rejeitado porque ele não tem os tais recibos. Estes tipos de cenários desencadeiam ansiedade sobre não ser pago, e ele ativa o subconsciente a tomar medidas para “lutar” para proteger-se (neste caso de perda financeira). O subconsciente em seguida, impulsiona-se a ir em uma caçada para evitar a perda financeira.


2. Tenha uma conversa com o seu aluno.

Para realmente envolvermos o cérebro em uma conversa você tem que ter um curso ativo e interativo baseado em conversas. Como você faz isso com um curso que não leva interação, assíncrono? Uma maneira efetiva é personalizar as respostas. Um exemplo da forma de “ter uma conversa” com o seu curso e personalizar é: observe como o tom lúdico e das mudanças de resposta com base na resposta inicial do aluno e como o avatar realmente parece ter uma personalidade (como evidenciado pela resposta um pouco sarcástica e bem-humorada para a segunda resposta do aluno). É exatamente o que acontece em conversas “tempo real”. Para fazer essa abordagem ainda mais poderosa, não se esqueça de usar um avatar animado, não um recorte de caráter estático. Por quê? Porque o subconsciente também é ativado pela observação dos movimentos e ações humanas. Muitos estudos confirmam que nós respondemos a rostos humanos, emoções e movimentos mais do que quaisquer outros tipos de imagens e movimentos. Portanto, use-os para manter vantagem em seus cursos virtuais.


3. Envolva os neurônios-espelho.

Seu cérebro não sabe diferenciar entre ver alguém fazer alguma coisa e realmente fazer a coisa. Esse é o poder de neurônios-espelho. Para entender como os neurônios-espelho funcionam, vamos olhar exatamente o que acontece quando você está assistindo a um jogo de futebol na TV. Você olha para a tela e ver os jogadores correndo pelo campo. Fótons – ou unidades de luz – batem nas retinas dos seus olhos e enviam as imagens dos jogadores correndo para os centros visuais do cérebro, onde são analisadas as ações dos jogadores e os padrões de movimento são detectados. Esta informação é então enviada para os neurônios-espelho do cérebro e essas células remapeiam os padrões de funcionamento, combatem ou passam para a seqüência apropriada de contrações musculares que ajudam a produzir as ações idênticas mesmo que você esteja firmemente plantado no sofá. Não importa se você nunca jogou futebol. Naquele momento, seu cérebro inconscientemente pensa que você está jogando futebol. É por isso que quando um jogador sofre uma dor; sua psique diz-lhe que o seu corpo tomou a mesma batida brutal. Por isso alguns até emitem sons de “Aii, iii, uauuu” quando vêem essas imagens… Com o nosso exemplo citado acima… do software de viagem, você pode ativar os neurônios-espelho, mostrando um vídeo de animação de um personagem deixando seu quarto de hotel e esquecendo de levar o recibo com ele. Então, quando ele começa a apresentar o seu relatório de despesas, ele percebe que esqueceu o da recepção do hotel e sua ansiedade aumenta. Mas então ele se lembra que ele começou a usar o novo programa e percebe que encontrou uma cópia eletrônica do recibo. Ele está aliviado. Ao observar o avatar fazendo essas ações simuladas as mentes subconscientes de seus alunos vão realmente sentir o mesmo alívio que sentiriam numa situação real.


4. Use caricaturas e quadrinhos.

Pesquisador Vilayanur Ramachandran, diretor do Centro de Cérebro e Cognição da Universidade de San Diego, diz que a maioria dos projetos envolventes aderem a certas “leis da arte” que excitam as áreas visuais do cérebro. Uma dessas leis é o “efeito de deslocamento de pico”, que é bem conhecido na aprendizagem discriminação animal. No pico turno, animais, por vezes, respondem a versão mais exagerada dos estímulos de treinamento. Ramachandran descobriu que os exageros em caricaturas e quadrinhos, em particular, iluminam nosso senso estético primal e é um cérebro inteligente que desvia e leva às pessoas a um maior envolvimento com os conhecidos “lembretes” de conteúdo. Outros têm aplicado este princípio do exagero na aprendizagem humana com sucesso, também. Quando Jim Kwik, CEO da Kwik Aprendizagem ensina as pessoas a melhorarem a memória, ele diz-lhes para exagerar nas coisas que eles estão tentando se lembrar. Isso porque, como Ramachandram, Kwik sabe que o cérebro anseia por novidade e o exagero mental é um rápido e simples desvio que facilita a aprendizagem.


5. Forneça gratificação instantânea.

Os recursos de gamificação oferecem bem isso! O cérebro reptiliano está programado para obter resultados neste exato momento. Ele não se preocupa com o futuro. É hoje o foco. Para recorrer a este desejo subconsciente, não se esqueça de incluir uma chamada de imediato para a ação – algo que seja compreendido como a única coisa que o aluno pode fazer agora para melhorar sua situação ou sua mudança de comportamento: juntando tudo de uma maneira rápida, fácil. Sei que entender esses conceitos não é fácil. Sugiro pesquisas na área de neurociência para você (designer instrucional) tentar descobrir como pode encaixar tudo isso em um curso de curta duração (15 minutos). Porém lembre-se: é necessário que você tenha em mente esse tipo de informação, uma vez que, é imprescindível entender da anatomia e comportamento humano frente à máquina se quiser ser cada dia mais bem-sucedido em suas atividades de DI.


IDI Instituto de Desenho Instrucional


#neurolearning #neurociência #gatilhoscerebrais #cerebro #cognição #aprendizagem #educação #ead #desenhoinstrucional

0 visualização