Nova Competência do DI: Criatividade


Em um mundo em constante mudança, os Designers Instrucionais são chamados a ser mais criativos e inovadores em seu pensamento, mas pouca orientação é dada sobre como ser assim. Falamos de criatividade o suficiente?


A criatividade é um impulso sociológico e tecnológico para a sociedade e é muito procurada no mercado de trabalho como uma das habilidades mais importantes do século 21 (Fórum Econômico Mundial, 2018; Vogler et al., 2018). Instituições internacionais como a Organização e Cooperação para o Desenvolvimento Econômico (OCDE, 2016) destacam a importância de promover a criatividade nas salas de aula como uma competência necessária para desenvolver os alunos para melhorar a qualidade educacional.

O Design Instrucional (DI) está evoluindo para um campo dinâmico focado no projeto de experiências de aprendizagem eficazes usando tecnologia (Hokanson, Miller, & Hooper, 2008). O DI, conforme praticado por profissionais hoje, exibe um alto nível de variabilidade e complexidade (Clinton & Hokanson, 2012). Essa complexidade se reflete no uso de uma variedade de modelos de DI disponíveis para o processo de ID, especialmente para iniciantes. No entanto, nos últimos 25 anos, muitos descreveram o processo de identificação como um processo linear que leva muito tempo para ser implementado e resulta em aprendizagem repetitiva e não envolvente (Yanchar, 2016; Hokanson & Clinton, 2012; Roytek, 2010; Caropreso & Couch, 1996; Dick, 1995; Rowland, 1995). Na verdade, de acordo com Hokanson e Clinton (2012), nenhum dos modelos de DI mais comuns usados ​​por Designers Instrucionais (DI's) menciona a criatividade. Os programas de DI responsáveis ​​por fornecer treinamento para designers instrucionais iniciantes podem influenciar a natureza e o impacto do design criativo. No entanto, a criatividade não foi formal e sistematicamente integrada aos modelos e teorias do DI.


Em um mundo em constante mudança, os Designers Instrucionais são chamados a ser mais criativos e inovadores em seu pensamento, mas pouca orientação é dada sobre como ser assim (Hong et al., 2014; Ashbaugh, 2013). Este artigo tem como objetivo considerar a percepção de criatividade e criatividade em DI do Dr. Brad Hockanson e Rick West, especialistas na área de DI.

Criatividade em design instrucional a partir da lente de especialistas na área


O desenvolvimento da criatividade tornou-se um tema relevante no campo da educação; está se tornando mais aceito que o aprendizado real se estende além da retenção de conteúdo declarativo (Hockanson 2016).

De acordo com Brad Hokanson, a pesquisa sobre criatividade na educação envolve um grande desafio: Como tornar os alunos mais criativos? E com esta pergunta vem, como você pode tornar os designers instrucionais mais criativos para tornar seus alunos mais criativos? Para o Dr. Hockanson, criatividade é: a capacidade de desenvolver idéias criativas e idéias criativas são aquelas que são originais, adequadas ao contexto e novas; eles têm que ser úteis.

Ele considera que os Designers Instrucionais (DI's) estão mais preocupados com o processo específico (passo a passo) do design. Eles não procuram como chegar a um processo ou abordagem diferente para obter designs diferentes, e essa maneira de pensar é o que os impede de ter tempo e capacidade para a criatividade.


De acordo com o professor Rick West, DI não é a única disciplina que luta contra a criatividade. A maioria dos programas de nível universitário não ensina seus alunos a serem criativos ou não inclui a criatividade em seus programas. Portanto, não é exclusivo do ID. É uma espécie de problema na educação em geral. Como disse o Dr. West:


Os DI's iniciantes usam modelos de ID como ADDIE, que os ajudam a fazer o que lhes é pedido. Porém, esse não é o fim da história, é o começo. Os alunos de DI se formam pensando que o processo que aprenderam, como ADDIE ou Backward Design, é o fim da história, e eles se esquecem de seguir em frente; eles negligenciam o progresso e partem disso para serem criativos e inovadores em seu trabalho. Acho que esquecemos de ensinar essa parte. Para o Dr. West, criatividade é a criação de ideias novas e úteis. Para o contexto de ID, seria desenvolver uma nova abordagem usando a criatividade para projetar a instrução:


Pode não ser completamente novo, mas é uma novidade para você, uma nova abordagem para seus alunos que pode ajudá-los a aprender melhor. Essa seria uma abordagem criativa. Mas nós (DIs) não falamos muito sobre como ter criatividade em nossos projetos. Portanto, resumindo para alguns dos especialistas da área, a criatividade precisa ser um aspecto determinante do Design Instrucional. Como o Dr. West explica:

  • A criatividade é o nível superior de pensamento, e a maneira como projetamos experiências que vão ensinar isso aos alunos precisa ser por meio de uma abordagem criativa. Precisamos falar mais sobre criatividade.

  • Várias disciplinas lutam com o termo criatividade e como incluí-lo em seus programas. No entanto, sugere-se que alunos e professores possam discutir a criatividade como uma parte essencial da aprendizagem. Falar mais sobre como incluir criatividade e pensamento criativo na sala de aula e nos modelos pode trazer interdisciplinaridade aos programas de DI; encorajaria novas abordagens de aprendizagem, como a pedagogia baseada em estúdio.

Olhando para o futuro

O DI é um campo que está continuamente inovando em direção a novas abordagens para projetar experiências de aprendizagem eficazes e envolventes. Também se estende ao desenvolvimento de ambientes e espaços físicos para a criação. A criatividade precisa ser tratada e reconhecida no DI, uma vez que é uma habilidade-chave do século 21.


O Dr. Hokanson ressalta que, se você não disser especificamente que precisa tornar as pessoas mais criativas, ensinando-as sobre criatividade, as pessoas não serão mais criativas.

Isso ressoa com a sugestão de Yanchar (2016) de que uma maior ênfase na aprendizagem inovadora pode facilitar a prática do Design Instrucional; também, que algumas das habilidades que um DI precisa desenvolver estão relacionadas ao treinamento de criatividade e criatividade em grupo. Portanto, é necessário abrir a discussão sobre criatividade em DI, desenvolvendo abordagens de aprendizagem criativa, incluindo a criatividade no currículo, e engajar-se na pesquisa de criatividade.

Integrar o pensamento criativo aos modelos teóricos de DI pode aumentar as expectativas dos DIs em relação às possibilidades criativas. Incorporar no design do currículo técnicas de pensamento para desenvolver novos produtos, prototipagem, técnicas de geração de ideias, entre outras, pode fomentar o potencial criativo em futuros DI's.


IDI Instituto de Desenho Instrucional


#tendênciaselearning #elearning #designinstrucional #desenhoinstrucional #facilitador #treinamento#educacaocorporativa #gestorderh#sessaodeaprendizagem #experienciasdeaprendizagem #metodologiasativas #rh#recursoshumanos #aprendizagemcorporativa#professor #professora #professores #conteudosead #cursosonline#comocriarcursosonline #comocriaraulasonline #aulaonline#aularemota #souprofessor #souprofessora #ensinoremoto

13 visualizações